Simpósios

Simpósio 1 A Gramática Discursivo-Funcional e a descrição de línguas

Coordenadora: Profa Erotilde Goretti Pezatti (UNESP/SJRP)

E-mail: pezatti@ibilce.unesp.br

O propósito do Simpósio é tratar da descrição de línguas (portuguesa, estrangeiras modernas e indígenas), sob o arcabouço teórico da Gramática Discursivo-Funcional (GDF). A GDF é um modelo teórico que privilegia a intenção comunicativa do falante ao fazer uso do sistema linguístico em situação de interação, tendo uma organização descendente, que parte do discurso para a forma das expressões linguísticas. Nesse modelo, a pragmática governa a semântica, a pragmática e a semântica comandam a morfossintaxe e, por fim, a pragmática, a semântica e a morfossintaxe governam a fonologia. Dessa forma, o componente gramatical apresenta quatro níveis autônomos (pragmático, semântico, morfossintático e fonológico), com categorias próprias mas interdependentes, relacionados, na produção linguística, a dois processos: o de Formulação e o de Codificação. O primeiro contém as configurações pragmáticas (interpessoais) e semânticas (representacionais), o segundo, as configurações morfossintáticas e fonológicas (unidades formais geralmente determinadas pelas configurações pragmáticas e semânticas). Serão, então, aceitos trabalhos que tratam de algum aspecto da gramática (pragmático, semântico, morfossintático ou fonológico) de qualquer língua particular, descritos sob esse aparato teórico.

Simpósio 2A perspectiva construcional na Linguística Funcional Centrada no Uso

Coordenadoras: Profª Mariangela Rios de Oliveira (UFF) e Maria Maura Cezario (UFRJ)

E-mails: mariangelariosdeoliveira@gmail.commmcezario@gmail.com

O simpósio contemplará trabalhos voltados para análise de construções sob o ponto de vista da Linguística Funcional Centrada no Uso, que congrega os pressupostos do funcionalismo americano com os da Linguística cognitiva, mais especificamente a Gramática de Construções. Estão incluídos temas como atuação de processos cognitivos do domínio geral na mudança linguística; competição entre construções; formação de construções e seus usos; aquisição de construções; gradiência contextual e construcional; e relação entre construções e gêneros textuais.

Simpósio 3 Descrição do português e a pesquisa funcionalista

Coordenador: Prof. João Bosco Figueiredo Gomes (UERN)

E-mail: boscofigueiredo@gmail.com

Este simpósio abriga estudos da língua portuguesa sob a ótica das diferentes vertentes funcionalistas. Destaca a aplicação de teorias que dão conta de fenômenos de outras línguas e adequam-se às pesquisas de fenômenos da língua portuguesa, sobretudo nas relações entre forma e função, especificando aquelas funções que parecem exercer influência na estrutura gramatical ou lexicogramatical. Assim, a explicação linguística deve ser achada nos usos linguísticos, numa percepção tanto sincrônica quanto diacrônica da língua portuguesa.

Simpósio 4Abordagem construcional da mudança: perspectivas e contribuições

Coordenadora: Profa Priscilla Mouta Marques (UFRJ)

E-mail:  pmouta@gmail.com

Este simpósio, fundamentado nos pressupostos da Linguística Funcional Centrada no Uso (LFCU) – conforme caracterizada em Martelotta (2011), Furtado, Bispo e Silva (2013) e Oliveira e Rosário (2015) –, tem como objetivo reunir trabalhos que assumem as proposições de Traugott e Trousdale (2013) no âmbito da abordagem construcional da mudança. A partir da formulação de um modelo teórico dedicado ao tratamento da mudança linguística, os autores assumem a centralidade da noção de rede construcional e partem do princípio de que a língua, tanto no que se refere à gramática quanto ao léxico, constitui-se a partir de redes taxonômicas de construções, as quais seriam hierarquicamente organizadas. Embora haja, em muitos aspectos, evidentes aproximações entre as postulações dos autores e a Gramática de Construções, a grande contribuição de Traugott e Trousdale (2013) situa-se justamente na proposição de um modelo teórico que visa a dar conta dos processos de mudança linguística a partir de duas dimensões distintas, a saber: construcionalização e mudança construcional. Enquanto a construcionalização envolve a emergência de novas construções na língua a partir do pareamento entre forma e significado, a mudança construcional está relacionada à dimensão interna da construção, uma vez que são afetados os subcomponentes de uma construção já existente, sejam eles relacionados à forma ou ao significado. Nesse sentido, considerando que se trata de uma abordagem ainda bastante recente para o tratamento da mudança linguística, este simpósio propõe a apresentação de trabalhos realizados e em andamento com o intuito de instituir um espaço de debate que possibilite refinamentos de natureza teórica e metodológica.

Simpósio 5 O tratamento funcional dos processos formais e conceituais de constituição dos enunciados em línguas naturais

Coordenadoras: Profªs Flávia Hirata-Vale (UFSCar) e Taísa Peres de Oliveira (UFMS)

E-mails: fbmhvale@gmail.com; taisapoliveira@gmail.com  

Neste simpósio, assumimos que as propriedades dos enunciados são adaptadas aos propósitos comunicativos dos interlocutores, e, como tal, consideramos que categorias linguísticas e os valores semânticos organizam-se nas gramáticas das línguas de acordo com funções determinadas pelas escolhas dos falantes. Nesse contexto, pretendemos reunir trabalhos que tratem dos diferentes processos relacionados à constituição formal e conceitual dos enunciados, no que diz respeito, por exemplo, à articulação de orações, à referenciação, à modalização, à construcionalização, à gramaticalização e à (inter)subjetivização. Nesse direcionamento, abrigam-se trabalhos que enfoquem diferentes padrões de construções, analisados a partir de relações de determinação em variados domínios semântico-pragmáticos, incluindo trabalhos sobre mudança gramatical e construcional e descrição gramatical das línguas naturais.

Simpósio 6A LSF e a pesquisa linguística no Brasil: desafios teóricos e metodológicos nas descrições do português

Coordenador: Prof. Orlando Vian Júnior (UNIFESP)

E-mail: orlando.ufrn@gmail.com     

Este simpósio pretende congregar trabalhos empenhados na análise linguística e descrições de aspectos específicos da língua portuguesa, principalmente levando-se em consideração as características sistêmico-funcionais apresentadas por Halliday para a descrição do inglês e quais diferenças devem ser levadas em consideração e adaptadas à língua portuguesa para descrições mais fidedignas à língua em distintos contextos de uso.

Simpósio 7Mudanças na língua em uso

Coordenadores: Profs. Camilo Rosa Silva (UFPB) e Cléber Ataíde (UFRPE)

E-mails: camilorosa@gmail.com; cleberataide@gmail.com

Este Simpósio pretende abrigar trabalhos que abordem questões relacionadas à mudança gramatical no Português. Numa perspectiva funcionalista, considera-se que a estrutura gramatical é motivada, quando não determinada, pelas situações comunicativas. Entende-se, portanto, que a estrutura da língua se configura em resposta às demandas interacionais, seja para renovar a expressividade discursiva, seja para suprir a inexistência de designações para conteúdos cognitivos ou referenciais. Atesta-se, nessa concepção, a natureza icônica da linguagem verbal. E é assim, com lenta mas contínua mudança no conjunto de membros das diversas categorias, que a gramática se acomoda, rearranjando no sistema os elementos que se vão deslocando/alterando gradativamente, migrando de funções mais concretas para outra mais abstratas. Desse modo, percebendo a instabilidade do sistema linguístico, elege-se a perspectiva teórica da gramaticalização, em busca de identificação das forças motivadoras dos processos que impulsionam a mudança.  Acata-se o pressuposto de que, a partir dela, os componentes sintático-semântico e discursivo-pragmático que materializam as escolhas dos falantes podem ser investigados e descritos. Portanto, os trabalhos encaminhados ao simpósio deverão refletir sobre fatores envolvidos no estabelecimento da mudança linguística que atinge formas e funções em determinados contextos de uso. A perspectiva de análise contempla os estudos que se assentam nos paradigmas das chamadas Linguística Funcional Norte-Americana e Linguística Funcional Centrada no Uso.

 Simpósio 8Linguística Funcional Centrada no Uso e ensino-aprendizagem de língua: relações possíveis para a construção de propostas

Coordenadores: Profs. Denílson P. de Matos (UFPB) e Emanuel Cordeiro (UFRPE)

E-mails: dpmatos@uol.com.br; emanuel_cord@yahoo.com.br

 Este simpósio se propõe a reunir trabalhos de pesquisa cujo objetivo se volte para a discussão das possibilidades de aplicação da Linguística Funcional Centrada no Uso (LFCU) à construção de propostas para o ensino-aprendizagem de línguas. Serão selecionadas pesquisas que busquem refletir como os pressupostos teóricos da referida perspectiva funcional ou os estudos descritivos sob ela já realizados podem servir às práticas escolares (seja no ensino fundamental ou médio) da análise linguística relacionadas aos eixos de leitura e produção textual. Sendo assim, o presente simpósio espera receber trabalhos que apresentem como noções como topicalização, oposição figura/fundo, transitividade oracional, gramaticalização, gradiência da integração sintático-semântica de cláusulas – entre tantas outras noções teóricas da LFCU –, podem embasar metodologias de ensino-aprendizagem de língua.

Simpósio 9Linguagem Verbal, Linguagem Visual, Linguagem Verbo-Visual: A Perspectiva Sócio-Semiótica da LSF

Coordenadoras: Maria Medianeira de Souza (UFPE) e Danielle Barbosa L. de Almeida (UFPB)

E-mails: medianeirasouza@yahoo.com.br; danielle.almeida@gmail.com

Este simpósio temático, tendo como fio condutor o entendimento de que as linguagens são potenciais semióticos, enseja reunir trabalhos resultantes de pesquisas em linguagem verbal, linguagem visual ou entre a conjugação dessas duas, visando a promover um diálogo entre essas vertentes de base sociossemiotica, com ênfase na produção e compreensão dos construtos de significados que são a base constitutiva de nosso agir em sociedade. Assim sendo, objetiva-se congregar pesquisas de linguagem(ns) em uso, inscritas no âmbito do funcionalismo sistêmico-funcional, seja pela adoção dos postulados de Halliday (1994, 2004) e seguidores para as línguas naturais, seja no âmbito das teorias da semiótica social, cujos princípios inspiram-se ou derivam-se das proposições gerais da Linguística Sistêmico-Funcional, como a Gramática do Design Visual.  A sintaxe da linguagem verbal, bem como a da linguagem visual se nos afigura como o elemento aglutinador das pesquisas que almejamos agregar e discutir neste simpósio.

Simpósio 10Transitividade e mudança linguística: contribuições da Linguística Funcional Centrada no Uso

Coordenador: Dioney  Moreira Gomes (UnB)

E-mail: dioney98@gmail.com

O principal foco deste simpósio são relações entre transitividade e mudança linguística no Português do Brasil (PB) e em línguas indígenas brasileiras desde um ponto de vista funcionalista, tipológico e cognitivista. A fim de qualificar a discussão para além do mapeamento de propriedades morfossintáticas, incentivamos a associação de teorias do discurso à Linguística Funcional Centrada no Uso e esperamos também receber contribuições de pesquisas embasadas em corpora linguísticos. Construtos como inferência sugerida (invited inference), implicaturas conversacionais, gramaticalização, categorização, analogia, prototipicidade, iconicidade, espaços mentais, bleaching (dessemantização), chunking (encadeamento), informatividade, perspectivização, marcação, contrastividade, metáfora, metonímia, analisabilidade, composicionalidade podem fazer parte do escopo teórico adotado nas pesquisas que serão trazidas para este simpósio. Espera-se lançar novos olhares sobre transitividade e mudança linguística no Português do Brasil e nas línguas indígenas brasílicas.

Simpósio 11 –  Funcionalismo e ensino de língua

Coordenadoras: Márcia Teixeira Nogueira (UFC) e Ediene Pena Ferreira (UFOPA)

E-mails:  marciatn@gmail.com ; ediene.ferreira@ufopa.edu.br

Este simpósio trata da relação entre Funcionalismo linguístico e Ensino, com o objetivo de discutir a contribuição de pressupostos e resultados da pesquisa de orientação funcionalista ao ensino de língua na escola. Serão acolhidos os trabalhos que tragam reflexões e sugestões de práticas pedagógicas que tornem efetiva essa contribuição do Funcionalismo linguístico, com atenção especial à formação e atuação de professores, que precisam estar preparados para instigar e conduzir reflexões sobre a natureza funcional e adaptativa da gramática, a fim de efetivamente contribuírem para a ampliação da competência discursiva dos alunos.

Para baixar a ementa dos simpósios em PDF, clique aqui